Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários

Prefeitura de SP planeja criar um anel cicloviário em Marginais e Bandeirantes

6 de agosto de 2018


Want create site? With Free visual composer you can do it easy.

O ‘Estado’ teve acesso ao plano, que prevê expansão da rede em mais 1,4 mil quilômetros até 2028, incluindo ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas; capital tem hoje 498,3 km. Opções serão criadas ainda nas avenidas do Estado, Ibirapuera e Radial Leste

Em dez anos, as Marginais do Tietê e do Pinheiros e as Avenidas Bandeirantes, Tancredo Neves, Juntas Provisórias e Salim Farah Maluf devem compor um anel com vias segregadas para bicicletas. É o que prevê o plano cicloviário da gestão Bruno Covas (PSDB), que será apresentado nesta sexta-feira, 3, e vai para audiências públicas nas 32 prefeituras regionais da capital paulista.

O Estado teve acesso ao texto, que prevê a expansão da rede em mais 1,4 mil quilômetros. São Paulo tem hoje 498,3 quilômetros – 468 km de ciclovias (estrutura elevada em relação ao viário) e ciclofaixas (via com pintura vermelha no asfalto).

Há ainda 30 km de ciclorrotas, estruturas com sinalização pintada no asfalto e placas indicando rota para ciclistas, que dividem espaço com os veículos.

O foco será na conexão da rede cicloviária a terminais de ônibus e estações da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). O conceito segue caminho previsto pelo Plano de Mobilidade (Planmob), planejamento lançado três anos atrás que norteia o crescimento da rede cicloviária de São Paulo até 2030, com mapas e diretrizes.

O plano será apresentado e discutido em audiências prefeituras regionais – como previsto em lei -, na Câmara Temática de Bicicleta (CTB) e no Conselho Municipal de Trânsito e Transporte (CMTT). Há ainda o planejamento da distribuição de bicicletários, paraciclos e “bike stops” (cabines onde o ciclista possa tomar banho e trocar de roupa).

Custo

A proposta da Prefeitura não cita os recursos necessários para expandir a rede nem cronograma ano a ano, o que deve ser discutido em audiências públicas. No orçamento da Prefeitura, há R$ 9 milhões previstos para obras e manutenção de ciclovias em 2018. Até esta quinta-feira, 2, nada havia sido gasto. Questionada sobre o orçamento previsto e recurso gasto com sinalização cicloviária em 2018, a CET não respondeu.

Na hierarquização proposta, vias mais movimentadas, como a Avenida do Estado e a Radial Leste, terão ciclovias; conexões entre os bairros e as grandes avenidas (vias coletoras, como a João Moura) ganharão ciclofaixas e ruas do miolo dos bairros concentrarão ciclorrotas.

As grandes avenidas que cortam o anel das Marginais também ganharão ciclovias, conectando a periferia ao centro. Serão os chamados “eixos cicloviários”. Na zona sul, por exemplo, as Avenidas Vereador José Diniz, Ibirapuera e a Jabaquara terão vias segregadas, bem como a Avenida do Estado, conectando a zona leste à região central. Outro anel pequeno terá ciclovias ligando a Senador Queiroz ao Parque Dom Pedro II, no centro, atendendo a uma demanda antiga dos ciclistas.

Para o engenheiro de trânsito Flamínio Fichmann, consultor de mobilidade, o conceito de anéis é rodoviarista. “Os anéis são pensados sob a ótica do automóvel. Tenho dúvidas da sua eficiência na utilização de um plano cicloviário”, diz. “Hoje as ciclovias estão muito concentradas na região central e oeste da cidade. Não estou vendo nenhuma proposta que privilegie o trabalhador.”

Nova York

A elaboração do plano teve sugestões técnicas da Bloomberg Philanthropies, que tem acordo de cooperação com a Prefeitura. No fim de julho, Covas se reuniu em Nova York com Janette Sadik-Khan, comissária de transportes da Bloomberg e ex-secretária de Transportes de Nova York.

O plano da Prefeitura quer seguir diretrizes utilizadas na cidade americana, como a proteção aos pedestres e aos ciclistas através da ideia de geometria de acalmamento do tráfego e a abertura do diálogo com a comunidade.

“A malha cicloviária pode ser composta por ciclorrota também, com ciclistas compartilhando espaço na rua com o ciclista, mas essa velocidade precisa ser muito baixa. A Prefeitura tem que garantir que a velocidade máxima fique entre 30km/h e 40km/. Queremos que o ciclista ande com segurança”, diz Paula Santos, gerente de mobilidade ativa do WRI Brasil.

A Prefeitura não discute, porém, a redução de velocidade máxima em vias que vão abrigar ciclorrotas, mas um acalmamento de trânsito com “lombofaixas” e ampliação de calçadas, estratégias para induzir o motorista a andar mais devagar.

Gestão Covas faz mapeamento para remover ciclovias 

Em abril, o prefeito Bruno Covas (PSDB) disse que iria “desativar ciclovias que só incomodam a população”. Mas o novo plano cicloviário para a capital não prevê, a princípio, a remoção ou substituição de ciclovias. Há, no entanto, propostas de remoção à vista para este semestre.

O Estado apurou que nesta quarta-feira, 1, Covas solicitou ao secretário municipal de Mobilidade e Transportes, João Octaviano, que coletasse exemplos de ciclovias com potencial para remoção. Essas poderão ser realocadas para vias próximas ou transformadas em ciclorrotas. A expectativa é de que exemplos de retirada sejam apresentados hoje.

Em um processo que começou em setembro, até março de 2019 todas as prefeituras regionais deverão ter encaminhado à Companhia de Engenharia do Tráfego (CET)pedidos dos cidadãos para retirada de ciclovias e ciclofaixas dos bairros. Pelo menos 13 das regionais já entregaram as avaliações locais da infraestrutura cicloviária.

Fonte: Estadão

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.